Monthly Archives: abril 2017

Após prisão de estudante, Polícia Civil investiga rede de zoofilia em Cuiabá (MT)

Por Sophia Portes / Redação ANDA (Agência de Notícias de Direitos Animais)

Foto: Folha Max

A Polícia Civil tenta identificar membros de rede de zoofilia – ou seja, adeptos ao abuso sexual de animais – após a prisão de estudante que publicou um vídeo nas redes sociais estuprando uma cadela.

Nesta terça-feira (25), o criminoso Hemerson Fernandes Pedroso, 30 anos, foi com os agentes policiais até o local onde a cadela “Branquinha”, vítima do abuso sexual, foi encontrada. Ela passou por exames veterinários e foi levada para receber os cuidados de uma organização de proteção aos animais.

De acordo com Hemerson, a cadela foi tirada das ruas há quatro meses e passou a viver com sua família. O delegado Gianmarco Paccola Capoani, responsável pelo caso, interrogou o estudante nesta segunda-feira (24), quando o mesmo foi preso temporariamente por cinco dias.

Hemerson foi indiciado por maus-tratos a animais e associação criminosa. O delegado Capoani afirma que só irá de pronunciar sobre o caso quando as investigações forem concluídas.

Após a divulgação do vídeo nas redes sociais, Hemerson afirma que sofreu ameaças e disparos de arma de fogo em seu veículo. Ele estuda odontologia na Universidade de Cuiabá e diz que após a postagem, passou a ser hostilizado pela comunidade estudantil.

Couro feito com resíduos de vinho é alternativa ecológica e livre de crueldade

Redação ANDA – Agência de Notícias de Direitos Animais

O couro feito a partir de resíduos de vinho é a mais nova alternativa vegetal ao couro animal e recebeu o Global Change Award 2017, da Fundação H & M.

A opção se junta a uma crescente lista de substituições ao couro animal feitas com abacaxi, cogumelos, kombucha e soja, provando que o veganismo está longe de ser restritivo.

A VEGEA Vegetal Leather é a responsável pela nova alternativa. A empresa foi fundada em janeiro de 2016 com o objetivo de “produzir materiais inovadores de couro vegetal, baseados em princípios éticos como a sustentabilidade, a proteção da saúde dos trabalhadores e dos consumidores, a responsabilidade social e o total respeito pelo meio ambiente”, segundo divulgado pelo Clearly Veg.

O processo de criação do material ecológico, produzido a partir das fibras contidas em cascas e sementes de uva, é descrito no site da VEGEA.

“Desenvolvemos um inovador processo de produção que transforma as fibras e os óleos vegetais contidos no bagaço de uva em um material ecológico. Normalmente, 26 bilhões de litros de vinho são produzidos anualmente. Desta produção, podemos obter quase sete bilhões de quilogramas de bagaço de uva que serão transformados em uma matéria-prima de alto valor agregado e potencialmente produzirão três bilhões de metros quadrados de couro de vinho todos os anos”, diz a empresa.

Como o couro de vinho é elegante e ecológico ao mesmo tempo, a VEGEA revela que seu objetivo é que o produto seja “aplicado em todos os segmentos da indústria do couro: vestuário, acessórios, mobílias e transporte”.

 

Fonte: Anda Notícias 

Comissão parlamentar apura más condições dos animais em zoo de Belo Horizonte, MG

Grupo de vereadores constatou que condições nos abrigos dos elefantes e rinocerontes não são adequadas ao porte dos animais.

Animais de grande porte são os mais prejudicados devido problemas estruturais (foto: Rafa Aguiar / CMBH)

Os elefantes e rinocerontes do zoológico de Belo Horizonte estão vivendo em más condições em seus recintos. Pelo menos é o que constatou a Comissão de Meio Ambiente e Política Urbana da Câmara Municipal, em visita realizada ao local nesta terça-feira.

Na avaliação dos integrantes da comissão, problemas estruturais nas áreas destinadas aos animais vêm interferindo na qualidade de vida deles, com desconforto e sofrimento aos espécimes, que estão com dificuldades de locomoção.

A inspeção dos vereadores foi motivada por um vídeo exibido nas redes sociais, que mostra um elefante praticamente se arrastando para conseguir sair de sua área de tratamento. O motivo seria uma barra de contenção instalada em uma altura incompatível com o tamanho do animal.

Durante a visita, os vereadores constataram não somente essa realidade, mas também as péssimas condições estruturais no recinto dos elefantes e dos rinocerontes, comprometendo a locomoção e o bem-estar desses animais.

De acordo com a Câmara Municipal, o presidente da Fundação Zoo-Botânica de Belo Horizonte (FZB), Homero Brasil Filho, justificou que a reforma dos recintos são obras prometidas há cerca de dois anos pela Sudecap, que não foram realizadas.

Além das intervenções de adequação, Filho destacou outro problema emergencial por que passa a FZB, que diz respeito à mão de obra terceirizada. Isto porque o contrato entre a prefeitura e a empresa que fornecia quase 80% dos funcionários foi encerrado. Sem que outro novo acordo fosse firmado, 23 funcionários foram contratados no último fim de semana, porém, eles são suficientes apenas para trabalharem na alimentação diária dos animais.

Fonte: Estado de Minas 

Jardim da Penha, em Vitória (ES), terá feira de adoção de cães e gatos especiais

Pela primeira vez em uma feira de adoção realizada em Vitória será disponibilizados animais com alguma deficiência física, mas totalmente readaptados.

Para adotar um dos animais, é preciso ser maior de 18 anos, possuir RG, CPF e comprovante de residência (Foto: Reprodução)

O Centro de Vigilância em Saúde Ambiental (CVSA) da Prefeitura de Vitória realizará, neste sábado (29), uma edição especial da Feira de Adoção de Cães e Gatos, na praça do EPA de Jardim da Penha, das 9 às 13 horas. Além de vários filhotes de cães, pela primeira vez serão disponibilizados quatro cães especiais, ou seja, com alguma deficiência física, mas que foram recuperados, adaptados e podem levar uma vida normal.  

“A Feira de Adoção vem provar que um animal com deficiência pode ter uma vida normal: muitos deles não precisam sequer de acompanhamento médico por conta da deficiência, e todos são grandes companhias. Sem contar que, na verdade, o preconceito é que é uma deficiência e impede a adoção absoluta de qualquer tipo de animal”, destaca a veterinária Renata Bessa.

Segundo ela, são considerados animais com deficiência todos aqueles que apresentam problemas motores, mentais, renais, amputados, paraplégicos, cegos, que tomam medicações constantes e necessitam de tratamento periódico. Todos os pets estarão castrados, vacinados e vermifugados.

“Apesar da aparência frágil, felizmente, os animais nessas condições se adaptam facilmente. O objetivo é aumentar as chances dos peludos deficientes conquistarem um lar e terem a chance de mostrar o quanto são amáveis e incríveis”, disse Renata.

Conheça alguns dos animais especiais disponíveis para adoção

Toby – raça Shihtzu, macho que faz uso de medicação contínua. Um cão amável, castrado e vacinado.

Pavê – Poodle canino, macho, vacinado e vermifugado. Teve a amputação do membro superior devido a um atropelamento e miíases.

Paquito – Poodle, canino, macho, castrado, vacinado, abandonado com muitas miíases na boca. Hoje, ele se encontra tratado e feliz.

Vitamina – cadela adulta, castrada, vacinada e vermifugada. Chegou ao CVSA com TVT (doença venérea) e sarna. Foi tratada e hoje é uma cadela dócil.

Filhotes de cães de 45 dias – animais com menos de 6 meses têm a castração gratuita garantida pelo Centro de Vigilância em Saúde Ambiental. Todos estão vermifugados.

Critérios para adoção 

Para adotar um dos animais, é preciso ser maior de 18 anos, possuir RG, CPF e comprovante de residência. “Não basta adotar, tem que se conscientizar que o animal será mais um integrante da família, necessitando de amor, atenção, cuidados veterinários e alimentação. Adotar é um ato de amor à vida”, afirmou Renata.

O Centro de Vigilância em Saúde Ambiental (CVSA) funciona na rua São Sebastião, sem número, no bairro Resistência. O centro também funciona como posto de vacinação antirrábica durante o ano todo, de segunda a sexta-feira, das 8 às 17 horas. Também é possível visitar o canil e o gatil durante a semana para adotar um dos animais recolhidos.

Fonte: Folha Vitória 

 

Empório Pet comemora 2 anos de funcionamento

A Revista Bicho S/A teve a honra de participar no sábado, 08 de abril, do aniversário de 2 anos do Empório Pet Store. Foi uma festa regada a bolo e docinhos feito especialmente para pets produzidos pela Confeitaria Animal, petiscos da Premier, guloseima Keldog, Pet Society e o apoio da equipe da Estima Distribuidora, nossa parceira.

Sob a direção da mineira Joyce Botelho, o Empório Pet Store é uma charmosa boutique pet repleta de produtos para cuidar da estética do seu amigo de pelos. A boutique é equipada com um confortável banho e tosa, além de ter variadas opções de rações de ótima qualidade, medicamentos e acessórios para seu bichinho.

Joyce, que está no ramo há 16 anos, recepcionou os convidados destacando sua gratidão pela parceria e fidelidade dos seus clientes. Deixou claro para todos que eles fazem parte desse sucesso, inclusive suas colaboradoras, verdadeiras amigas.

Nós da Revista Bicho S/A desejamos muito mais sucesso e nossos parabéns!

Que venham muitos anos de prosperidade e boas parcerias.

Fica nossa dica: faça uma visita e conheça de perto o Empório Pet Store.

Fica em Vila Velha,  na Av.Resplendor, 2.308, Itapoã.

 

            Até o próximo evento!

Primeiro açougue vegano de São Paulo fatura R$ 30 mil por mês

Reprodução

A Sociedade Vegetariana Brasileira estima que em nosso país existam cinco milhões de veganos, pessoas que não comem qualquer alimento com ingredientes animais.

Dois empresários de São Paulo abriram um açougue que vende carne vegana. No primeiro açougue vegano da cidade, carne animal não entra.

Uma das salsichas mais vendidas é a de tomate seco. Tem também sete tipos de hambúrguer, espetinhos de soja, queijos feitos com castanha de caju, e até a chamada costela vegana, o carro chefe do açougue.

Marcela e Bruno gastaram R$ 60 mil para abrir o açougue, em dezembro. Mesmo em tão pouco tempo de negócio, já faturam R$ 30 mil por mês. Sinal de que tem muita gente disposta a gastar nesse mercado, mas que procura opções.

No Bones – The Vegan Butcher Shop
Rua Caraibas, 1243 – Perdizes
São Paulo/SP – CEP: 01254-000
Telefone: (11) 3862-9576
Site: http://www.nobones.life
Email

Kulinara
Telefone: (11) 2325-8247
Site: www.kulinara.com.br
E-mail: contato@kulinara.com.br
Facebook

Fonte: Pequenas Empresas Grandes Negócios

Pedido de fechamento de canil em Vila Velha (ES) será encaminhado nesta segunda-feira

A denúncia surgiu após a divulgação, em redes sociais, de um vídeo em que uma das funcionárias aparece fazendo uma cirurgia em um cão, mesmo não sendo veterinária.

A CPI dos Maus-Tratos aos Animais da Assembleia Legislativa irá encaminhar ao Ministério Público Estadual (MPES) o pedido de fechamento do canil de Retiro do Congo, em Vila Velha, e a antecipação de tutela dos animais. Segundo a deputada Janete de Sá, que presidente a comissão, o pedido será encaminhado nesta segunda-feira (03).

 

MPES
(Foto: Reprodução/ TV Vitória)

A denúncia surgiu após a divulgação, em redes sociais, de um vídeo em que uma das funcionárias aparece fazendo uma cirurgia em um cão, mesmo não sendo veterinária.

“Nós estamos investigando e vamos fazer hoje uma ação junto ao Ministério Público para que interditem esse canil e vamos colocar como fiéis depositários, a Associação de Pais e Alunos do estado do Espírito Santo (ASSOPAES) e parceiros para que esses animais possam ter uma guarda até que se resolva o problema”.

Os cães eram submetidos a procedimentos cirúrgicos sem anestésico. “Um número muito grande de cães da raça spitz alemão estavam sendo operados em uma sala improvisada, sem médicos veterinários e sem anestésicos. Eles usavam uma medicação chamada Central, que não é uma medicação anestésica e esse animal sofria durante todo o procedimento cirúrgico. Além de crimes ambientais, como fossas a céu aberto, animais presos em gaiolas de ferro e em condições ruins, entre outros”, disse Janete.

A assessoria de Segurança Pública do Estado informou por meio de nota que o caso segue em andamento pela Polícia Civil.

Relembre o caso

No dia 21 de março, a Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente, o Conselho Regional de Medicina Veterinária, a Presidente da CPI dos Maus-Tratos aos Animais da Assembleia Legislativa, deputada Janete de Sá e integrantes da Sociedade Protetora dos Animais, fizeram uma diligência surpresa no canil, localizado no Bairro Retiro do Congo.

Letícia Medeiros de Oliveira, de 21 anos, e Nicoli Presotti Cordeletti, de 48 anos, assinaram um Termo Circunstanciado pelo crime do Art. 60 da Lei de Crimes Ambientais, que consiste em “construir, reformar, ampliar, instalar ou fazer funcionar, em qualquer parte do território nacional, estabelecimentos, obras ou serviços potencialmente poluidores, sem licença ou autorização dos órgãos ambientais competentes, ou contrariando as normas legais e regulamentares pertinentes”.

Em relação aos maus tratos, o delegado informou que as suspeitas não foram pegas em situação flagrancial do crime e que o caso segue sob investigação. Na diligência foi constatado que o canil não possui autorização municipal para funcionamento e não tem licença ambiental. No local também não foi encontrado documento que comprove a existência de médico veterinário responsável pelos animais. Foi apreendido vasta quantidade de medicação humana para dor e anestésica.

O canil possui mais de 150 animais de diversas raças, a maioria da raça spitz. A proprietária Nicoli Pressotti disse que o vídeo foi feito há mais de um ano e meio e que o canil não possui mais o centro cirúrgico mostrado nos vídeos.

 

Veja a entrevista no link: http://www.folhavitoria.com.br/policia/noticia/2017/04/pedido-de-fechamento-de-canil-em-vv-sera-encaminhado-nesta-segunda-feira.html

 

Fonte: Folha Vitória

Doença renal crônica pode atingir cerca de 60% de gatos idosos

Redação ANDA – Agência de Notícias de Direitos Animais

Responsáveis por atingir cerca de 60% de gatos idosos, as doenças renais crônicas além não apresentam sintomas de imediato, podem causar sérios danos a saúde desses animais. Os sintomas aparecem apenas em estágio avançado, quando os rins dos animais estão com 75% de sua função comprometida.

De acordo com a veterinária da Elanco, Bruna Tadini, é importante realizar check-ups periódicos: “Os check-ups periódicos são fundamentais para a identificação da DRC em fase precoce e para o tratamento adequado, evitando o sofrimento do animal”, alerta.

Os principais sinais que se manifestam variam da perda de apetite e de peso, a deterioração da pelagem, vômitos, feridas na boca e mau hálito.

Para ter certeza de que o animal está doente, é preciso fazer exames de sangue, urina e de ultrassom abdominal, complementados com aferição da pressão arterial.

O tratamento é administrado por medicamentos orais, que diminuem a perda de proteínas pela urina, ração comercial específica ou dieta caseira balanceada, desde que recomendada pelo veterinário.

Dica – dietas com muita proteína e com grande quantidade de fósforo colaboram para o agravamento da doença renal.