Notícias

Todas Notícias

Doença renal crônica pode atingir cerca de 60% de gatos idosos

Redação ANDA – Agência de Notícias de Direitos Animais

Responsáveis por atingir cerca de 60% de gatos idosos, as doenças renais crônicas além não apresentam sintomas de imediato, podem causar sérios danos a saúde desses animais. Os sintomas aparecem apenas em estágio avançado, quando os rins dos animais estão com 75% de sua função comprometida.

De acordo com a veterinária da Elanco, Bruna Tadini, é importante realizar check-ups periódicos: “Os check-ups periódicos são fundamentais para a identificação da DRC em fase precoce e para o tratamento adequado, evitando o sofrimento do animal”, alerta.

Os principais sinais que se manifestam variam da perda de apetite e de peso, a deterioração da pelagem, vômitos, feridas na boca e mau hálito.

Para ter certeza de que o animal está doente, é preciso fazer exames de sangue, urina e de ultrassom abdominal, complementados com aferição da pressão arterial.

O tratamento é administrado por medicamentos orais, que diminuem a perda de proteínas pela urina, ração comercial específica ou dieta caseira balanceada, desde que recomendada pelo veterinário.

Dica – dietas com muita proteína e com grande quantidade de fósforo colaboram para o agravamento da doença renal.

Polícia investiga denúncia de maus-tratos em canil clandestino de Vila Velha

Foto Reprodução: Facebook

O Conselho Regional de Medicina Veterinária formalizou a denúncia na Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente e Patrimônio Cultural

 

No início da noite desta segunda-feira (20), a Polícia Civil informou que o Conselho Regional de Medicina Veterinária formalizou denúncia na Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente e Patrimônio Cultural contra duas mulheres acusadas de maus-tratos a animais e prática ilegal da profissão de veterinária em um canil clandestino de Vila Velha. Por meio de nota, a polícia garantiu que já iniciou as investigações sobre o caso.

As mulheres são criadoras de cães da raça Spitz Alemão no canil Blue Point, em Vila Velha. Vídeos e fotos que mostram cirurgias nos animais chocaram as redes sociais neste fim de semana. As imagens mostram uma espécie de centro cirúrgico improvisado no canil, onde as mulheres operam os cães, mesmo com os animais ainda se mexendo e latindo.

Uma petição pública online, que pede a prisão das duas mulheres, já reuniu mais de nove mil assinaturas, até o início da noite desta segunda-feira (20). No texto, elas são acusadas de charlatanismo por não serem médicas veterinárias e também por maus-tratos, já que nos vídeos é possível ver o sofrimento dos animais.

Acionado pela reportagem do Gazeta Online, o Conselho Regional de Medicina Veterinária do Espírito Santo (CRMV-ES) confirmou que o canil é clandestino, que não tem registro junto ao órgão e que não há sequer um médico veterinário como responsável técnico para dar assistência aos animais.

O Conselho encaminhou a denúncia à Delegacia de Maus Tratos Animais e ao Ministério Público para que sejam tomadas as medidas cabíveis.

“O CRMV-ES repudia veementemente esse tipo de prática e destaca que o exercício ilegal da Medicina Veterinária “charlatanismo” encontra-se tipificado na Lei de Contravenções Penais, sendo uma agressão gravíssima ao bem estar animal, à sociedade e à Medicina Veterinária.”, afirmou por meio de nota.

VEJA NOTA NA ÍNTEGRA

O Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado do Espírito Santo – CRMV-ES, tomou conhecimento na última sexta-feira (17/03/2017), por meio de denúncias, onde constam fotos, vídeos e comentários e posteriormente por redes sociais, do exercício ilegal da Medicina Veterinária praticada por uma leiga que estaria realizando cirurgias em cães de forma cruel.

Insta destacar que, o canil citado é clandestino perante o CRMV-ES, não cumprindo a obrigação de todo estabelecimento desta natureza, de possuir registro junto ao conselho e um Médico Veterinário como Responsável Técnico para dar assistência aos animais.

O CRMV-ES repudia veementemente esse tipo de prática e destaca que o exercício ilegal da Medicina Veterinária “charlatanismo” encontra-se tipificado na Lei de Contravenções Penais, sendo uma agressão gravíssima ao bem estar animal, à sociedade e à Medicina Veterinária.

O Conselho, dentro de sua competência, está tomando todas as providências cabíveis no sentido de encaminhar à denúncia à Delegacia de Maus Tratos Animais e ao Ministério Público para que sejam tomadas as medidas inerentes à competência de cada órgão, bem como solicitar a participação conjunta com esses órgãos nas ações a serem realizadas pela fiscalização do CRMV-ES.

Caso seja identificada a participação ou envolvimento de algum Médico Veterinário no caso, serão adotadas as medidas cabíveis por parte do conselho, como a instauração de Processo Ético Profissional, que, em caso de condenação poderá chegar à cassação do exercício profissional.

Qualquer informação sobre este caso ou outro qualquer dessa natureza deverá ser enviado ao CRMV-ES por meio do e-mail: crmves@terra.com.br, pelo telefone: 27 3324-3877 ou entregue na sede, na Rua Cyro Lima, nº 125, Enseada do Suá, Vitória.

Procurada pela reportagem, a Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente e Patrimônio Cultural afirmou que aguarda a formalização da denúncia pelo Conselho Regional de Medicina Veterinária para dar início às investigações.

OUTRO LADO

Uma mulher que se identifica como proprietária do canil entrou em contato com a reportagem do Gazeta Online após a publicação da matéria e confirmou que não possui formação acadêmica para realizar os procedimentos médicos nos cães. Ela aparece nos vídeos fazendo operações em animais e afirma que só vai responder às acusações de prática ilegal da medicina veterinária em juízo.

No entanto, a mulher rebate as acusações de maus-tratos e diz que não há animais em sofrimento no canil que ela gerencia há 30 anos. “Não há maus-tratos no meu canil. Se houve alguma irregularidade que aconteceu aqui isso será esclarecido em juízo. Ele está aberto para receber qualquer pessoa que queira ver como os animais estão”, afirmou.

A proprietária relata ainda que é expositora de cães e que possui troféus de competições em diversos lugares do mundo. No entanto, ela confirma que o canil não tem registro no CRMV-ES.

 

Fonte: Gazeta Online 

Tragédia envolvendo animais e crianças

Uma triste notícia abalou na última quarta-feira (15/03) a população do norte do Espirito Santo e demais regiões. Uma criança de seis anos morreu após ser atacada por um cachorro de raça ainda não confirmada, no município em Ponto Belo. De acordo com policiais militares que atenderam a ocorrência, Luís Henrique Andrade Prates estava no quintal da casa onde morava com a família, no bairro Castanheiras, quando foi surpreendido pelo animal. Ele chegou a ser encaminhado para o hospital, mas não resistiu aos ferimentos.

 

Mas o que leva um animal doméstico, normalmente dócil, a atacar uma criança? Quais são os fatores que envolvem uma tragédia dessa natureza? Essas e outras questões foram esclarecidas pelo adestrador Leonardo Tschaen, durante a segunda edição do ES tv, na noite dessa quinta-feira, 16/03.

 

Confira a reportagem: http://migre.me/whnYG

Filme “Quatro Vidas de um Cachorro”: cão é maltratado nos bastidores e vídeo choca a internet!

A ONG PETA, que defende os animas, está querendo boicotar a produção.

A inernet se chocou nesta quinta-feira (19) com o vídeo dos bastidores do filme ” Quatro Vidas de um Cachorro ” em que um cão aparece sendo maltratado nas filmagens. Na cena, o cachorro da raça pastor alemão, chamado Hércules , é obrigado a entrar em uma piscina mesmo contra a sua vontade. Aparentemente assustado, o treinador parece não se importar muito e continua forçando o animal. E é óbvio que todas as pessoas que amam cachorros ficaram irritadas com a situação.

Vídeo divulga maus tratos nos bastidores do filme “Quatro Vidas de um Cachorro”

Foto: Divulgação / PureBreak

Apesar da gravação ter chocado bastante, não demorou muito para o assunto ganhar todas as redes sociais. O vídeo foi filmado de forma clandestina por um dos integrantes da equipe e compartilhado pelo site americano TMZ . Após todo o buzz, a PETA (People for the Ethical Treatment of Animals), organização que luta em defesa dos animas, está tentando organizar um boicote ao longa, que chega aos cinemas do Brasil dia 26 de janeiro .

O diretor Lasse Hallström usou o Twitter para se defender. “Eu não testemunhei essas ações. Todos nós estávamos empenhados em proporcionar um ambiente amoroso e seguro para todos os animais no filme. Me prometeram que uma investigação completa desta situação está em andamento e que qualquer irregularidade será relatada e punida”, declarou.

Os estúdios responsáveis, Amblin Partners e Universal Pictures , também comentaram o assunto através de um comunicado: “Promover um ambiente seguro e garantir o tratamento ético de nossos animais atores foi de extrema importância para aqueles envolvidos na realização deste filme, e vamos analisar as circunstâncias em torno deste vídeo”.

Fonte: Terra 

PETA parabeniza Luisa Mell por ser homenageada em desfile sem plumas

Luisa Mell será homenageada pela Águia de Ouro | Foto: Celso Tavares/EGO

Homenageada pela Águia de Ouro no carnaval deste ano, Luisa Mell não esconde a alegria por ter conseguido que a escola paulistana faça um desfile sem plumas e outros materiais de origem animal. Por conta dessa novidade na folia, a apresentadora e ativista foi parabenizada pela PETA, organização que luta pelos direitos animais.

“Tiramos o chapéu para Luisa Mell e a Escola de Samba Águia de Ouro por mandar uma mensagem de respeito e compaixão aos animais garantindo que seus carros alegóricos e todas suas fantasias não empregam plumas, penas, couro ou qualquer outro material derivado de um animal pela primeira vez na história do carnaval brasileiro. Um carnaval vegano é uma festa onde todos – inclusive animais – podem festejar”, diz a entidade em nota.

“É possível fazer uma festa maravilhosa sem sofrimento. Carnaval não combina com sofrimento. No começo estava receosa em aceitar, mas, quando eles disseram que não iam usar plumas, peles e nada animal, topei. Fui rainha de bateria durante cinco anos e deixei de desfilar por isso. Era um conflito estar lá com a escola usando materiais que vão contra tudo o que prego. E agora não. Consegui voltar sendo coerente com tudo o que defendo”, festeja ela.
Á Águia de Ouro será a sétima escola a desfilar no dia 24 de fevereiro com o enredo “Amor Com Amor Se Paga, Uma História Animal”.

Fonte: EGO

Vereadores de Peruíbe (SP) aprovam lei de fogos de artifício sem barulho

Foto: Divulgação

A Câmara de Vereadores de Peruíbe, no litoral de São Paulo, aprovou, na última quarta-feira (7), um projeto de lei que proíbe e disciplina a queima de fogos de artifício com barulho na cidade.

De acordo com a Prefeitura de Peruíbe, uma solicitação foi feita pelos departamentos de Meio Ambiente, Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) e representantes da sociedade.

O objetivo é evitar que o barulho dos fogos de artifício incomodem os animais, assim como pessoas cardíacas, autistas, pessoas com deficiência, idosos e crianças.

A lei ainda precisa ser sancionada pela prefeita Ana Preto.

Fonte: G1

Febre amarela: Macaco morto é recolhido na Ilha do Frade, em Vitória, ES

Material foi enviado para laboratório da Sesa para saber causa da morte. Morte de macacos no estado levantou suspeita de febre amarela.

Macaco foi recolhido e encaminhado para laboratório (Foto: Reprodução/ TV Gazeta)

Um macaco morto foi recolhido na Ilha do Frade, em Vitória, na tarde desta segunda-feira (16). O material foi levado para o laboratório da Secretaria Estadual de Saúde (Sesa) e será analisado para saber a causa da morte do animal.

De acordo com a prefeitura de Vitória, a equipe do Centro de Vigilância Ambiental em Saúde (CVSA) de Vitória foi acionada e recolheu o animal.

A Secretaria de Estado da Saúde disse que, após receber o material do Centro de Controle de Zoonoses de Vitória, enviará para o Instituto Evandro Chagas, no Pará. Após chegar no Pará, a previsão é de que o resultado saia em 20 dias.

Até o momento, não há nenhum resultado de exame.

Febre amarela

Mais de 80 macacos já foram encontrados mortos nos últimos dias, nas regiões Sul e Noroeste do Espírito Santo. A morte desses animais aponta para a suspeita de febre amarela, mas o estado ainda não é considerada área de risco.

A Secretaria de Estado da Saúde  do Espírito Santo (Sesa) foi notificada sobre dois casos de suspeita de febre amarela no estado, neste mês de janeiro.

“A ocorrência de mortes desses animais já é um alerta. Então existe essa preocupação”, diz Gilton Almada, coordenador do Centro de Emergências em Saúde Pública da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa).

“É importante monitorar para conseguir preceder. Precisamos trabalhar na investigação. Se confirmado, vai ser vacinado o município onde foi encontrado o macaco morto com febre amarela”, diz Gilton. O resultado da investigação sai em cerca de 20 dias.

Vacina

A vacina contra a febre amarela vai chegar para 23 municípios do Espírito Santo, principalmente os que fazem divisa com Minas Gerais, segundo a Secretaria Estadual de Saúde (Sesa). As 350 mil doses de vacinas, solicitadas ao Ministério da Saúde, devem começar a chegar nesta segunda-feira (16). Veja a lista de cidades no final da reportagem.

O governo do estado informou que fez o pedido ao governo federal por causa do “quantitativo de macacos mortos encontrados em municípios capixabas”.

Fonte: G1

 

 

Nova lei certificará empresas que não fazem testes em animais em Minas

(Foto: Reprodução Internet)

Selo “Minas sem Maus-Tratos: Produto não Testado em Animais” será conferido às empresas e instituições que se destacarem pela não utilização de animais em experimentos científicos.

 A lei entra em vigor na data de sua publicação.O governador do Estado, Fernando Pimentel, sancionou a lei que cria uma certificação para as empresas que não testam seus produtos em animais. A Lei 22.403, de 2016, cria o selo “Minas sem Maus-Tratos: Produto não Testado em Animais” e foi publicada no Diário Oficial de Minas Gerais desta sexta-feira (16).

A nova lei define que o selo será conferido às empresas e instituições que se destacarem pela não utilização de animais em experimentos científicos. O texto também prevê que os critérios relativos à certificação e à aferição da distinção serão estabelecidos em regulamento.

A norma tramitou na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) na forma do Projeto de Lei (PL) 370/15, do deputado Fred Costa (PEN), e foi aprovada em 2º turno no Plenário em 30 de novembro.

A lei entra em vigor na data de sua publicação.

Fonte: O Tempo 

Em crise, Suipa facilita adoção e cria medidas para equilibrar as finanças

Foto: Extra

No mês passado, a Sociedade União Internacional Protetora dos Animais (Suipa) recebeu 440 gatos e 234 cachorros. No mesmo período, foram adotados três felinos e cinco cães. A conta não fecha. Pela primeira vez, em 73 anos, a associação faz estatísticas mensais de abandono de animais. Foi uma das medidas de Marcelo Marques, de 54 anos, que está à frente do abrigo há dois meses, depois da morte de sua antecessora, Isabel Nascimento. O novo presidente busca soluções para equilibrar as finanças e reduzir a população de animais de suas instalações. E implora: “Alguém precisa salvar a Suipa”.

O abandono de animais domésticos tem aumentado?

Em época de Natal e Ano Novo, o abandono costuma aumentar, por vários fatores. Um deles é que as pessoas saem de férias e não têm com quem deixar o animal nem estão dispostas a pagar hospedagem. A Suipa não tinha estatísticas mensais de abandono, então, começamos a fazer isso. Em novembro, recebemos 440 gatos e 234 cachorros. No mesmo mês, só três felinos e cinco cães foram adotados. Hoje, temos mais de cinco mil animais. Não temos mais espaço.

Qual é o quadro atual da Suipa?

A Suipa chegou a um ponto em que não podia ter chegado. A situação financeira está crítica. Estamos tomando medidas emergenciais para tentar sobreviver. Quando assumi a presidência, há dois meses, os funcionários estavam com três meses de salários atrasados e havia uma dívida com fornecedores de mais de R$ 70 mil. Fizemos um pedido desesperado de ajuda, e a sociedade correspondeu com a doação de 70 toneladas de ração. Assim, pudemos economizar algum dinheiro para acertar os pagamentos e quitar dívidas. Mas essa ração que foi doada só vai durar até semana que vem, e aí não sei o que fazer.

Quais são as medidas?

Primeiro estamos revendo toda a parte administrativa. Os nossos ambulatórios não tinham hora para encerrar os atendimentos. Como as consultas são mais baratas do que em qualquer outra clínica, a demanda é muito alta. Os veterinários atendiam até o último animal trazido, e isso gerava um custo muito alto de horas extras dos profissionais. Então, limitamos os atendimentos com senhas e não abrimos mais aos domingos e feriados. Além disso, paramos de receber animais saudáveis. Essa regra já existia, mas não era cumprida. O abrigo só recebe animais doentes ou machucados que não tenham tutores. Por fim, tornamos mais fácil a adoção de animais, excluindo alguns critérios.

Quais foram as mudanças em relação à adoção?

Os critérios para adoção eram muito rígidos e isso gerava muita reclamação de quem não conseguia adotar um animalzinho. Um dos critérios era geográfico. Apenas moradores da cidade do Rio podiam adotar. Então, se você morasse na Baixada, por exemplo, saía de mãos abanando. Esse critério não existe mais. Também era necessário mostrar o contracheque, o que impedia a adoção por parte de profissionais liberais. Além disso, não era permitida a adoção de cães com raça definida, apenas sem raça definida. A ideia por trás disso era tentar valorizar os últimos e impedir que só cães com pedigree fossem adotados. Mas a raça é uma coisa criada pelos homens, não pela natureza. Então, abolimos isso também.

Foto: Extra

Foto: Extra

Ainda existem restrições?

Em poucos casos. Quando você chega para adotar, pede-se que preencha um questionário e temos algumas recomendações. Por exemplo, sugerimos que cães de grande porte não sejam adotados por pessoas que morem em apartamentos pequenos. Há alguns casos, no entanto, em que a adoção só é liberada com ordem da diretoria. No caso de cães das raças pitbull e rottweiler, é preciso saber se a pessoa não está em busca de uma arma, em vez de um companheiro. E no caso de gatos pretos, precisamos ter cuidado porque são muito usados em rituais de magia negra.

Além de cães e gatos, que outros animais vivem na Suipa?

Temos de tudo: cavalos, porcos, tartarugas e até galos de briga avaliados em R$ 30 mil. São animais que chegam por ordem judicial e que nunca poderão sair daqui, sob o risco de serem reconduzidos às rinhas.

Quais são os gastos da Suipa?

Só de ração para cachorro, consumimos uma tonelada e 300 quilos por dia, o que dá mais de R$ 50 mil por semana. Contamos ainda com uma folha de 150 funcionários.

Qual é a solução?

Esperamos, com as medidas, reduzir despesas. Além disso, precisamos de novos sócios. Hoje, temos cerca de oito mil ativos. Cadastrados, temos muito mais, mas muitos já morreram ou deixaram de pagar. Outra solução é buscar parcerias. Alguém precisa salvar a Suipa. Em relação ao aumento da população de animais, investimos em campanhas de castração. Uma ONG americana mostrou que um casal de animais pode produzir duas ninhadas por ano, tendo de dois a oito filhotes por cada. Em dez anos, são dezenas de milhares de novos animais a partir de um único casal. É preciso diminuir essa população.

Em cinco anos, 65 mil animais

Do início de 2011 ao fim de 2015, mais de 65 mil animais passaram pela Suipa. Do total, 812 foram entregues por bombeiros, 3.758 foram resgatados pela própria associação e 60457 foram abandonados nas unidades do abrigo. No mesmo período, foram adotados cerca de 1300 animais, cerca de 2% do total.

“As pessoas que querem se desfazer de um cãozinho trazem para a Suipa e acham que estão fazendo um bem, mas não estão. Temos altos índices de mortalidade por motivos de depressão e briga, porque os cachorros são muito territorialistas. Além disso, os animais correm o risco de adoecer por ficar juntos a outros que estão em tratamento”, diz Marcelo.

O índice de mortalidade nos últimos anos chegou a 80%: mais de 50 mil animais morreram nas dependências da associação, que tem a política de não praticar a morte induzida em nenhum deles.

Para evitar o crescimento da população de animais abandonados, a Suipa incentiva a castração. Em cinco anos, 36 mil animais foram castrados no ambulatório da associação e outros 240 mil foram operados de forma gratuita, em programas de controle de natalidade promovidos no Rio.

Outra frente de trabalho é o incentivo à adoção. “Da última vez que fizemos um evento de adoção na zona sul, voltamos com mais animais do que levamos. Felizmente, temos visto mais pessoas passeando com animais sem raça definida, então, parece que aumentou o número de adoções. Torcemos para que mais pessoas tenham esse ato nobre”, esclarece o presidente do abrigo.

Para adotar um animal na Suipa, basta ter em mãos um documento de identificação e um comprovante de residência, além de preencher um breve questionário. A sede da associação fica na Av. Dom Hélder Câmara, nº 1.801, em Benfica, no Rio (RJ). Abre de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h, e, aos sábados, das 8h às 12h.

Fonte: Extra

Jovem acusa ex de sequestrar pit bull para forçar retirada de medida protetiva

Keyllanne Martins, 23 anos, só conseguiu resgatar a cachorra após fazer um apelo nas redes sociais

Mia, pit bull que teria sido agredida pelo ex-namorado da dona, Keyllanne Martins

Uma jovem de 23 anos acusa o ex-namorado de ter roubado e agredido a cachorra dela no último sábado (17), em Vila Velha. Keyllanne Martins, que tem uma medida protetiva por conta de duas agressões do ex, conseguiu resgatar a pit bull, de 5 meses, após fazer um apelo nas redes sociais.
Keyllanne conta que estava com o atual namorado indo passear com a cachorra na frente de casa, em Guaranhus, quando o ex chegou. “Ele brincou com a Mia e saiu. Mas ele não pode se aproximar de mim nem da minha casa. Precisa ficar a uma distância de 500 metros por causa da medida protetiva. Depois, voltou e pegou a cachorra. Meu namorado tentou impedir, mas foi ameaçado por ele.”
Keyllanne relatou que, na mesma hora, ligou para a polícia e falou que tinha uma medida protetiva contra o acusado. “Quando liguei para o 190 pediram para eu esperar uma viatura. Fiz seis ligações. Após duas horas, uma viatura passou na rua e meu namorado foi atrás dela. Os policias disseram que já passava das 17h e eles não podiam fazer nada.”
Junto com o namorado, Keyllanne diz ter ido a um posto policial em Praia das Gaivotas. “Pediram para ligar para o 190 e disseram que era apenas um cachorro. Fiz um boletim de ocorrência online por agressão. Ontem (domingo) voltei no posto e me orientaram a ir à Polícia Civil hoje para fazer outro BO. Vou fazer por agressão à cachorra e outro por descumprimento da medida protetiva. Meu medo é ele chegar atirando na minha casa, comigo e a minha família dentro.”
Resgate
Ao ficar sem a pit bull, a jovem fez um apelo nas redes sociais. “Como o padrasto dele disse que a cachorra não estava em casa, imaginei que o meu ex fosse vendê-la. Ele postou em um desses grupos do WhatsApp de compra e venda de pit bull. Pedi que, se alguém tivesse nesses grupos, me informasse sobre a cachorra. Uma menina viu e o pai dela ligou para ele, dizendo ser PM e pedindo para devolver o animal.”
foto2
De acordo com Keyllanne, o ex teria mandado uma mensagem para ela dizendo que não tem medo de policial e que devolveria o animal se ela retirasse a medida protetiva. “Eu disse que tiraria e um amigo dele trouxe a cachorra para mim, mas ela estava toda machucada. Ela saiu da minha casa saudável. Agora está com a orelha caída e chora de dor. Parece que ele chutou ela toda. Não deu comida e nem água para ela. Estava desidratada e não consegue ficar em pé. Uma veterinária me disse que ela precisa de um raio-x. Como não tenho condições, preciso de ajuda para tratar dela.”
Histórico
O relacionamento de Keyllanne e o ex durou um ano e sete meses. “A primeira agressão foi quando a gente estava tentando voltar o namoro. Fiz um boletim de ocorrência na delegacia. A segunda foi no meio da rua e, há cerca de quatro meses, consegui a medida protetiva.”
Polícia Militar
Em nota, a assessoria da Polícia Militar informou que a direção do Centro Integrado de Operações e Defesa Social (Ciodes) está apurando a reclamação da jovem.

Fonte: Gazeta Online

Notícias mais antigas

Ivanete e Tobby

Me chamo Ivanete, sou mãe do Tobby, ganhei ele quando tinha 02 meses de idade, hoje ele tem 08 anos e 05 meses. Um cãozinho adorável, sapeca, bagunceiro, brincalhão, dócil, beijoqueiro, dengoso … e muito carinhoso. Ele é um Fox Paulistinha, muito inteligente e muito amoroso. Aprende as coisas com muita facilidade. Amo muito meu filhote de 04 patas. Muito esperto e levado, e tem consigo um enorme Amor Incondicional. Adora crianças, sempre muito amado por todos. Não se esquece das pessoas que conhece, tem uma memória incrível. Duas pessoas que ele mais ama, Irany a avó dele e eu a mamãe dele. Mas ama muito também os demais membros da família e dos amigos. Foi adestrado pelo tio Léo quando pequenino e adora ele, também fez amizade com Lyca e Gandhi. Seu Pet favorito era o Recanto dos Bichos da tia Betânia onde tomou muitos banhos e sempre muito atenciosos com ele e comigo, hoje ainda com parceria da tia Betânia e do tio Felipe é o Pet Hotel Fazendinha onde também conheceu a tia Iza, gosta muito de todas as pessoas que passam pela sua vida. Tobby é o Amor da minha vida.

Karen, Luna, Bia e Liza

Essa é a Karen com seus bichinhos. A Luna é uma mocinha que participou das fotos de formatura da Karen.

14182301_742510039185595_2000289164_n

A Bia é a gatinha que veio como um presente e a Liza foi resgatada muito brava e hoje é um docinho.  14218033_742510045852261_83318563_n

2 Cãominhada Vida Animal | Outubro Pet Rosa

Eii amigos da Grande Vitória 🐶👪🐩🐾🐕!!!Você e seu melhor amigo estão convocados..
——– VEEMM AÍÍÍ ———
2 Cãominhada Vida Animal | Outubro Pet Rosa #todoscontraocancerPet

Data: Dia 08 de Outubro
Local: PRAIA DE ITAPARICA

PREPARAMOS MUITA INFORMAÇÃO, SURPRESAS & DIVERSÃO PARA VOCÊS!!!! 🎁🎈🐾🌞🌟

Em breve postaremos todas as ATRAÇÕES e ainda as INFORMAÇÕES para doação de ração e CAMISETA OFICIAL do evento 👕
#2CaominhadaVidaAnimal #VilaVelha #OutubroPetRosa#TodoscontraocancerPet #Euapoio #Esperamosvoces #MundoPet

Gigio e Lêda

Olá Meus amores,meu nome é Leda Espinheira,sou a Vovis do GIGIO. Para mim ele é único, porque preenche minha vida totalmente,não consigo sequer imaginar o meu dia a dia, sem seu carinho, alegria contagiante e o seu amor incondicional. Meu Giginho é minha vida e por ele sou capaz de qualquer coisa, só para não vê-lo sofrendo,portanto todo o amor que ele me dedica é recíproco❤️

Grupos de baleias jubarte escapam do risco de extinção

A maioria das populações de baleias jubarte foi retirada da lista de espécies em risco de extinção, na qual haviam sido incluídas há quase meio século quando registravam um nível historicamente baixo devido à caça.

Este status, atribuído aos animais em risco, não se justifica mais para nove de quatorze populações destes cetáceos que existem no mundo, decidiu a Agência Americana Oceânica e Atmosférica (NOAA).

Contudo, quatro populações restantes são consideradas em perigo de desaparecer e uma foi reabilitada à lista dos animais ameaçados.
“Esta decisão marca um verdadeiro sucesso ecológico”, declarou em um comunicado, Eileen Sobeck, administradora adjunta do serviço de pesca do NOAA.

“As baleias, entre as quais estão as jubarte, têm um papel muito importante dentro de nosso sistema marinho”, acrescentou ao afirmar que ter seguido estas populações de maneira independente “permitiu à NOAA adaptar suas aproximações de proteção segundo as necessidades de cada uma delas”.

A caça comercial reduziu notoriamente o número de baleias jubarte, cuja população registrou seus níveis mais baixos na década de 1960.

Em 2015, a NOAA havia proposto retirar 10 das 14 populações da lista de espécies em risco e abrir um período de consulta pública antes de chegar a esta decisão.

Fonte: Estado de Minas

O triste destino dos animais que perdem tutores

Nina é órfã de Marli Delucca e está para adoção

Por Fátima ChuEcco*

Uma das maiores angústias de qualquer protetor ou pessoa que tem cães e gatos é partir e não saber o que será feito dos animais que tanto amam. Por isso, mesmo que sejam jovens ou saudáveis, as pessoas que possuem animais precisam deixar por escrito e, de preferência, registrado em cartório, o que desejam que seja feito após sua morte. Parece mórbido, mas ninguém sabe o dia seguinte e há inúmeros casos de animais que foram abandonados e até mortos depois que seus tutores partiram. É muito comum pessoas morrerem e seus animais serem enxotados para fora da casa ou coisa pior. Portanto, é fundamental pensar no futuro deles.

Pode parecer chato escrever um testamento, mas é muito importante deixar orientações detalhadas porque ninguém sabe o que acontecerá no instante seguinte.  Vale lembrar que não é só doença que mata, mas também acidentes, desabamentos, assaltos violentos, bala perdida e até intoxicação alimentar. Não importa a idade, todos estão sujeitos a tudo. Por isso, é sempre bom fazer um testamento ou então um seguro de vida que possa, pelo menos, amenizar a situação de animais que perdem seus tutores. É necessário destinar o prêmio do seguro a uma pessoa de confiança ou uma ONG de proteção animal que se comprometa a investir o dinheiro na manutenção dos animais orfãos.

Testamento

nikita-e1473197121631

Nikita era tutorada por Marli Delucca e aguarda adotantes

De que vale tanto sacrifício em vida para deixar os animais à própria sorte no caso de vir a morrer antes que eles? Um testamento é bem útil, especialmente se a pessoa possui ao menos uma casa onde os seus animais possam ficar até morrerem ou serem adotados. Mas se a pessoa não tem bens precisa, pelo menos, deixar alguém responsável pelos cães ou gatos. Precisa descrever no testamento peculiaridades como remédios administrados, idade dos animais, alergias, doenças crônicas ou comportamentos que precisam ser levados em conta.   É aconselhável atualizar o testamento conforme as situações forem se alterando com perda de alguns animais e chegada de outros ou perda e/ou acréscimo de bens.

Órfãos milionários

TUTU-e1473197375300

Tutu é um dos órfãos de Marli Delucca que está para adoção

Nem sempre a pessoa conta com apoio da família e é por isso que muitos milionários já deixaram suas heranças para seus animais. É muito comum que ex-empregados, enfermeiros ou amigos próximos fiquem como tutores. Alguns casos notórios:

Em 2003, na Inglaterra, Margareth Layne, de 89 anos, deixou 160 mil dólares para seu gato Tinker, além de uma casa de 560 mil dólares. A fortuna foi passada para um casal de vizinhos que também gostava de gatos e tinha dois felinos. Todos passaram a viver na mesma casa.

Em 2007, nos Estados Unidos, Leona Helmsley deixou 10 milhões de dólares para seu maltês branco chamado Trouble. A milionária deixou mais 10 milhões de dólares para sua irmã na condição de que cuidasse do cachorro.

Em 2010 foi a vez de três cães herdarem 25 milhões de dólares da tutora Gail Posner, falecida aos 67 anos, em Miami Beach. Os ex-empregados ficaram como tutores dos animais e administradores da fortuna.

Em 2011, na Itália, Tommaso se tornou o gatinho preto mais sortudo de toda a história. Herdou 10 milhões de euros de sua tutora morta aos 94 anos. Foi a enfermeira que ficou com o dinheiro porque, além de gostar de gatos, ajudava uma entidade de felinos.

Órfãos da ativista Marli Delucca precisam de adoção

 

GAYA2-e1473197554181

Gaya, órfã de Marli, precisa de um novo lar

Marli, que era colaboradora da ANDA e dirigia o portal Mural Animal com incríveis matérias investigativas, deixou cinco animais com até cinco anos de idade, segundo contam seus filhos. São quatro lindos gatos e uma cadelinha supersimpática, todos mansos, castrados e vacinados. Estão morando com os filhos da ativista desde sua morte, em novembro do ano passado, mas eles alegam que passam o dia todo fora trabalhando, voltam tarde da noite e não podem mais cuidar dos animais. Então foram colocados para adoção – vejam as fotos.

O caso dos órfãos da Marli é apenas mais um entre vários que se repetem todos os dias. Algumas histórias são ainda mais trágicas, com os animais sendo levados para longe e abandonados numa estrada, enfim, coisas horríveis acontecem com animais órfãos. Eles correm o risco de serem descartados como móveis ou roupas velhas

Mumu é uma das gatinhas órfãs de Marli que também busca uma nova família

Alguns animais órfãos têm a sorte de serem acolhidos por parentes, amigos e às vezes até vizinhos do tutor. Outros não. A situação é ainda infinitamente pior quando se trata de uma pessoa com muitos animais. Quantas vezes não são disparados nas redes sociais apelos desesperados para arranjar lar para 20, 30 ou até mais animais devido à morte da tutora?

Marli foi uma grande guerreira da causa animal. Por isso, quem está pensando em adotar um cachorro ou gato tem a chance de levar um pouco dessa garra e desse amor para casa ficando com um dos animais que ela tirou das ruas. Interessados devem deixar comentário na própria página da Marli, nos posts sobre a doação de seus animais, pois, seus filhos estarão acompanhando e, inclusive, dependendo do bairro de SP, podem levar o animal até o adotante caso o mesmo não tenha carro.

O facebook da Marli é https://www.facebook.com/mdproanimal?fref=ts  Para conhecer melhor a trajetória dessa ativista de mão cheia, que batalhou incansavelmente contra o Aquário de SP por conta dos ursos polares, basta acessar o link http://www.anda.jor.br/09/11/2015/marli-delucca-sherlock-holmes-causa-animal.

*Fátima ChuEcco é jornalista ambientalista e ativista da causa animal

FONTE: Anda

Alessandra e Amora

Ganhei Amora do meu esposo em 15 de Novembro de 2013, com apenas 45 dias de vida! Dia 30 de setembro, irá fazer 3 aninhos de pura alegria!

Daniele e Brad

Me chamo Daniele e meu marido Alexandre.
Estavámos à 1 ano em tratamento para engravidar, ja tinhámos 3 filhos porém queríamos mais, foi quando o médico disse para desopilar a cabeça do tratamento e procurar distrair com alguma outra coisa: viagens, passeios… Foi quando meu marido me presenteou com o Brad, meu primeiro cachorro, um Bulldog Francês cujo tomei gosto de ter e hoje tenho um canil especializado da raça com 5 cães Bulldogs Francêses e 1 Bulldog Inglêsa.
E crio todos com e por amor!

PROCURA-SE THOR E LAIKA

Vamos ajudar a voltar para casa? Você pode ajudar compartilhando ou se souber de alguma informação, ligando para os números do cartaz.

CADELA PARAPLÉGICA É RESGATADA EM VITÓRIA E PRECISA DE AJUDA PARA EXAMES

A cadelinha é paraplégica e se arrastava pelo chão, o que resultou em várias feridas pelo corpo e nas patinhas. Logo depois que foi para o lar provisório, ela ganhou uma cadeira de rodas

Por Thaiz Blunck

A história de uma cadelinha paraplégica está repercutindo nas redes sociais e comovendo muitos capixabas. Carinhosamente chamada de “Menina”, a cadela da raça pug foi resgatada por um grupo de protetoras em situação de maus-tratos e bem debilitada.

De acordo com a protetora Patricia Gonçalves, que participou do resgate, Menina tem aproximadamente 9 anos de idade e apresenta problemas cardíacos, além de outras complicações. Ela conta que soube da história quando a antiga dona pediu ajuda para uma consulta médica.

“Nós temos um grupo de pugs e sempre fazíamos encontros dessa raça. Ficamos sabendo que uma senhora estava com essa cadelinha e que ela estava pedindo ajuda para uma consulta médica. Quando nossa amiga foi até o local verificar, ela encontrou uma situação terrível, pois a Menina estava desnutrida e não tinha ração adequada. Foi aí que minha amiga pediu para levar a cachorra e a dona autorizou, dizendo que não tinha condições de cuidar”, conta.

A cadelinha é paraplégica e se arrastava pelo chão para se locomover, o que resultou em várias feridas pelo corpo e nas patinhas. Logo depois que foi para o lar temporário, ela ganhou uma cadeira de rodas, doada por uma pessoa que se comoveu com a situação.

As responsáveis pela guarda de Menina também criaram uma vaquinha online e pretendem arrecadar R$ 4 mil para custear as despesas que já tiveram e ainda vão ter. Além disso, ela também precisa de ração, fraldas e sessões de acupuntura e fisioterapia para tentar reverter a paralisia.

Fonte: Folha Vitória